Notícias

30/10/2017 | 12h54min

Primeiro dia do Conecta São Judas consiste em conversas sobre tecnologia

Na quarta-feira, 18 de outubro, a Coordenadora do curso de Administração, Mônica Caravantes, inaugurou o ciclo de palestras do Conecta São Judas. Esse novo projeto da Instituição visa compartilhar conhecimentos e experiências através da reflexão, com convidados expertises em suas áreas. “Precisamos de momentos como estes, que nos façam refletir, e, se necessário, repensar a forma de conduzirmos as nossas vidas e as organizações”, destaca Mônica.

Para a primeira noite, tivemos a participação de Franz Figueroa, UX da Apple Developer Academy. Com o tema “Futurismo, construção de cenários”, ele conversou com os alunos sobre como nossa sociedade atualmente está e como isso irá se perpetuar no futuro: “Estamos vivendo em um tempo onde tudo está trocando muito rápido. Uma sociedade que se acostuma a ser constantemente atualizada. Isso causa uma falta de paciência das pessoas com dispositivos obsoletos, que não se atualizam. Está se criando uma cultura ansiosa”, opina.

No futuro, todos os objetos serão dotados de inteligência, tudo será compartilhado e tudo será filtrado, pois com a quantidade informações disponíveis, selecionamos apenas aquilo que nos interessa. Entretanto, mesmo com a inteligência artificial dos dispositivos, não é a tecnologia o assunto mais importante para se estudar, mas sim, as pessoas. “Precisamos entender o contexto, e cada vez mais, estudar as pessoas: como elas reagem e funcionam. Entender de futuro não é ficar pensando no que pode ou pode não acontecer. É perceber o contexto e as pessoas, e se preparar para essas duas mudanças”, ressalta Franz. Ele ainda complementa que, quanto mais conhecemos as pessoas, mais entendemos o mercado e mais será possível obter o sucesso em uma empresa através dessas observações.

Recebemos também o Líder Técnico e Arquiteto de Soluções da IBM, Francis Ricalde, que falou sobre a tecnologia Watson e como ela transformará a forma como vivemos. Watson é uma plataforma de Inteligência Artificial, capaz de compreender, interagir e aprender novas habilidades. Essa é a revolução: a capacidade da tecnologia de evoluir seu próprio conhecimento através do contato com as pessoas. Ricalde salienta a importância da computação cognitiva: “A ideia é democratizar a informação e a capacidade, e assim, começar a plugar as várias tecnologias de inteligência artificial. As empresas investiram nisso pois, nenhum de nós, consegue dar conta de tanta informação. Usaremos esse tipo de tecnologia para sermos mais produtivos no trabalho”. No Brasil, diversas empresas já estão utilizando o Watson para simplificar os processos em seus serviços. Bradesco e 4all são exemplos de organizações que utilizam essa inovação.

Voltar