Notícias

11/05/2017 | 15h00min

Colégio realiza palestra para orientar famílias

Com o objetivo de promover uma conversa onde os pais tivessem informações a partir de orientações, o Colégio São Judas Tadeu realizou, na noite da quarta-feira, 10 de maio, a palestra “Baleia Azul e 13 Reasons Why. Como a família pode ajudar”, com a especialista em psicologia escolar Gabriela Howes Langer. O evento contou com a participação dos pais dos alunos e de professores.
Conforme Gabriela, o Jogo da Baleia surgiu em uma rede social russa e com ela se teve o aumento do número de suicídios. Dados indicam que o jogo está relacionado com mais de cem casos de suicídio pelo mundo, ele baseia-se na relação entre desafiadores e curadores através de 50 tarefas que devem ser realizadas diariamente, algumas delas envolvem automutilação. Já a série 13 Reasons Why, lançada em 31 de março de 2017, é baseada no romance bestseller do escritor Jay Asher que alcançou o primeiro lugar no New York Times em 2011. Após o lançamento da série, o site de busca Google teve um aumento de 80% de procura da palavra “suicídio”. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o suicídio é a segunda maior causa de morte no mundo.
Durante a palestra, Gabriela apresentou o número de usuários cadastrados nas principais redes sociais aos participantes. “O Facebook tem 1,6 bilhões, o You Tube um bilhão, o Twitter 230 milhões, o Instagram 430 milhões”. Ela orientou que os pais devem monitorar a vida real e virtual dos seus filhos. Um extrato sobre o uso de internet aponta que 97% das crianças brasileiras entre seis e nove anos acessam a internet; 54% contam com perfil em redes sociais, o índice é mais que o triplo da média mundial que atinge os 16%. A especialista em psicologia escolar ressaltou que 16% das crianças brasileiras ultrapassam dez horas conectadas na internet. Quando a questão é local de acesso, os jovens apontam em primeiro lugar a casa com 64% e escola ocupa a segunda colocação com 34%.
Outra questão abordada em função da série da Netflix é o bullying, comportamento ligado à agressividade física, verbal e psicológica. “O bullying é exercido de maneira continuada individualmente ou em grupo. Ele pode ser verbal, físico, material, psicológico, moral, sexual ou virtual”. Um dos motivos que trouxe o Edson Cabreira, pai do aluno Lorenzo Soares Dos Santos, do 4º ano, à palestra foi o jogo. Segundo ele, o convite do Colégio veio para colaborar com a sua busca por informações sobre o tema. “Quando soube da série e do jogo comecei a procurar detalhes e na internet eram superficiais”, afirmou.
Para finalizar, Gabriela passou algumas orientações às famílias e apresentou as 13 orientações da Associação Psiquiátrica do RS (APRS) sobre suicídio na adolescência. Confira a seguir.

Orientações às famílias
- Fique atento à mudança de comportamento
- Compartilhe informações da rotina
- Abra espaço para diálogo
- Esteja presente na vida do seu filho
- Demonstre interesse genuíno

13 orientações da Associação Psiquiátrica do RS (APRS)
- O bullying não afeta cabeça dos adolescentes. Isso é mito.
- Adolescente não se mata. Isso é mito.
- Quem ameaça que vai se matar faz isso só pra chamar a atenção. Isso é mito.
- Internet demais faz mal para a saúde mental. Isso é verdade.
- O suicídio está aumentado entre os adolescentes. Isso é verdade.
- Existem na web sites e aplicativos que incentivam o suicídio. Isso é verdade.
- Postar fotos sobre comportamentos suicidas pode aumentar o risco de suicídio de outras pessoas. Isso é verdade.
- Não devemos falar sobre suicídio. Isso é mito.
- A causa do suicídio é sempre única. Isso é mito.
- Ideias de morte são “coisas” de adolescentes. Isso é mito.
- Se cortar de propósito também é “coisa” de adolescente. Isso é mito.
- Depressão é o transtorno mental mais comum entre as pessoas que cometem suicídio. Isso é verdade.
- Depressão tem tratamento e a maioria dos suicídios poderiam ser evitados se as pessoas buscassem auxílio psiquiátrico.

Voltar